Microfinanças: Credioeste libera R$ 6,6 milhões em 2017

Inovação: necessidades sociais exigem inovação empreendedora
17 de Abril de 2018
Parceria com o Proerd
9 de Maio de 2018

MB Comunicação

Apesar das dificuldades em razão do cenário econômico desfavorável, o ano de 2017 fechou com resultados significativos para a Credioeste, agência de microcrédito. Os números mantiveram a média do ano anterior com 1.650 contratos que totalizaram R$ 6,6 milhões de reais. Com isso, foram beneficiados mais de 1.300 clientes e empreendedores formais, informais e autônomos do comércio, prestação de serviços, indústria e agricultura.

Desde sua fundação, em maio de 1999 até dezembro de 2017, a Credioeste liberou R$ 66,9 milhões de reais em créditos dentro do Programa Nacional De Microcrédito Produtivo e Orientado por meio de 19.332 operações. Os dados foram apresentados, na última semana, em Assembleia Geral Ordinária, coordenada pelo presidente Ivonei Barbiero e pela gerente executiva Marcia Biffi, na sede do Sicom Chapecó.

Segundo Barbiero, 2017 foi um ano difícil para a agência de microcrédito, porém as metas foram atingidas e o ano fechou com números positivos. “Nossa instituição não visa o lucro, mas sim o resultado e, o objetivo de atender ao micro e pequeno empreendedor para que fortaleça seus negócios, foi alcançado. Estamos felizes, pois prestamos conta, a assembleia avaliou os  indicadores e nos deu mais um voto de confiança para continuarmos nosso trabalho. Para este ano, observamos um cenário com perspectivas boas, com crédito mais acessível e famílias menos  endividadas, o que demonstra expectativas positivas para o fim de 2018”.

O vice-presidente Gerson Roberto Röwer complementou que ao analisar o contexto da crise política e econômica que acabou interferindo no resultado de muitas empresas, o ano de 2017 foi bom para a Credioeste. “Também tivemos nossas dificuldades, mas conseguimos fechar com resultados positivos. Acreditamos que para 2018 a perspectiva seja melhor, tanto é que os primeiros quatro meses do ano já mostraram reação nas vendas. Com isso, acreditamos que além de superar as metas, vamos fechar com resultados melhores quando comparados ao ano passado”.

A conselheira independente Claudia Letícia Badin Ramalho ressaltou que o trabalho da instituição é fundamental para a região porque apoia o microempresário para desenvolver seu negócio e, consequentemente, para o movimento da economia. “Com o microcrédito os empreendedores formais e informais conseguem manter suas atividades e, em momentos de crise, ter um apoio para não fechar as portas”.

Para o conselheiro da Facisc, Vicenzo Mastrogiacomo, a Credioeste faz um trabalho excepcional, atendendo aos pequenos empresários com microcrédito para que possam crescer manter a atividade e expandir, pois todos precisam de um capital de giro para se instalar melhor e atender bem seu cliente. “A agência tem crescido e a procura das microempresas vem aumentando, pois a facilidade de pagar gradativamente é um grande benefício para a região toda”.

CREDIOESTE

Caracterizada como uma organização sem fins lucrativos, criada para atender empreendedores formais e informais, a Credioeste completa 19 anos neste mês de maio, contabilizando inúmeras conquistas como o fortalecimento dos pequenos negócios e a ampliação da área de atuação da agência de microcrédito. Seu objetivo é a concessão de crédito para capitais de giro, fixo e misto.

Fundada em 19 de maio de 1999 no município de Chapecó, atualmente conta com três postos avançados de atendimento: Pinhalzinho (SC), Nonoai (RS) e Passo Fundo (RS). Os créditos são desburocratizados, a liberação acontece em 24 horas e os valores aprovados vão até 10 mil reais com pagamento de 6 a 24 meses.

A metodologia de trabalho utilizada pela Credioeste é própria e consiste em visitas dos agentes de crédito aos clientes para identificar as necessidades e orientar sobre o uso do crédito. Segundo a gerente executiva, Marcia Biffi, antes de formalizar o empréstimo, é feito levantamento com o microempreendedor para obter informações econômicas, sociais e familiares, visando orientá-lo sobre a melhor forma de utilizar o crédito.